Coisa Mais Linda – A Hora é das mulheres

Com as lindas paisagens do Rio de Janeiro, o seriado brasileiro Coisa Mais Linda está conquistando um merecido espaço no streaming da Netflix. Escrito por Leonardo Moreira, Luna Grimberg e Heather Roth, o drama é ambientado na década de 50, tendo como ponto central o feminismo e utilizando como plano de fundo a música, mais especificamente a ascensão da bossa nova.

Dirigida por Caíto Ortiz, Hugo Prata e Julia Rezende, a série traz histórias de quatro mulheres diferentes que lutam para viver da forma que escolheram.

A primeira personagem apresentada ao público é a paulista Maria Luíza (Maria Casadevall), apelidada de Malu. Filha de pais ricos, sendo mãe e esposa, Malu cria planos com seu marido, Pedro, de deixar São Paulo e abrir um restaurante no Rio, porém ocorre um pequeno contratempo. Seu esposo a abandona e leva todo o seu dinheiro, deixando-a sozinha em um quarto alugado e o local, caindo aos pedaços, que viria ser o seu restaurante. Desesperada, ela passa por um processo de descobrimento, onde Chico (Leandro Lima), um excêntrico cantor de bossa nova, cruza seu caminho.

Guiada por uma antiga e latente paixão pela música, a partir dessa reviravolta, nasce em Malu o desejo de abrir um clube de música ao vivo, o que traz para a história, sua parceira Adélia Araújo (Pathy Dejesus).

Mãe solteira, batalhadora, negra e moradora do morro, Adélia é obrigada a se limitar a poucos espaços sociais, o que é causado pelo forte racismo da época. Em seu cenário de vida, conhecemos a criação do morro, com toda a sua cultura e simplicidade, onde o personagem Chico busca inspiração para suas canções, junto ao samba.

Para fechar o grupo dessas incríveis mulheres, entra em cena a cunhada de Lígia, a excêntrica Thereza Soares (Mel Lisboa), a única jornalista mulher em uma revista voltada para o público feminino.  Casada com Nelson Soares (Ícaro Silva), eles possuem uma vida e um relacionamento um pouco moderno demais para a época.

Com sete episódios, a série tem um excelente ritmo e não perde a força, pelo contrário, prende a sua atenção, trazendo à tona discussões importantes que podem ser facilmente colocadas nos dias de hoje. Como por exemplo, a construção de um relacionamento abusivo, o lugar supostamente programado que a mulher deve ocupar na sociedade, as dificuldades em tomar decisões que deveriam ser individuais e o debate sobre a valorização da aparência e não da inteligência.
Voltada para o feminismo, a série tem sim o objetivo e a capacidade de instigar e fazer refletir pela luta e pelo espaço que as mulheres buscam.

Os homens estão mais do que convidados a serem espectadores, desde que estejam abertos a pontos de vista diferentes e a discussões inteligentes, sem ocupar o lugar de fala do público alvo, as mulheres.

Isabel Rosado
Escritora de pauta, curiosa, buscando sempre pelo conhecimento! Através das ideias mais malucas. Todos os dias, procuro encontrar meu lugar no mundo!

Cappuccino Cast #161 – Reality’s Show: Entretenimento ou Experimento Social?

Cappuccino desta vez avalia os Reality's Show: são Entretenimento ou Experimentos Sociais? Gravamos ao vivo falando sobre os principais programas,...

Na Gaveta 21 – Bolão do Brasileiro, Champions e clássicos nos estaduais!

Prepare o grito, a zuera e a corneta para o mais novo Na Gaveta! Debatemos ao vivo na Twitch as noticias relevantes da quinzena e...

Elementar 115 – The Good Place (Parte 1 de 2)

No Elementar dessa semana, o Elementar se une com o Maratona de Sofá para fazer um crossover de duas partes sobre a série The Good Place! A...

Pingado de Bits #01 – Nossa história com os games

Esta é a estreia do Pingado de Bits, que irá falar sobre games, nostalgia e atualidades. E hoje, vamos falar sobre nossa...

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here