Resenha de Despertar, de Octavia E. Butler

-

A Terra como conhecemos acabou. Ela foi destruída e reconstruída por alienígenas que curiosamente salvaram boa parte da humanidade. Lilith é uma mulher que foi reanimada artificialmente para poder ser a líder da humanidade que terá que sobreviver em uma Terra pós-apocalíptica. Começando tudo do zero,mas e quando nem ela confia nos salvadores alienígenas?


Resenha de Despertar, de Octavia E. Butler
Capa de Despertar, de Octavia E. Butler

Editora: Morro Branco
Páginas: 352
Ano de publicação original: 1987

Sinopse:

Monsieur Hercule Poirot recebe uma misteriosa carta de um milionário sul-americano, monsieur Renauld, dizendo precisar dos serviços de um detetive e pedindo sua ajuda. A carta não dá detalhes do caso, nem informa exatamente o que está perturbando monsieur Renauld, só menciona que sua vida está em perigo. Imediatamente Poirot, seguido de seu assistente, o inseparável Hastings, parte para Merlinville-sur-Mer, uma pequena cidade no litoral francês onde reside o milionário. Porém, ao chegarem à casa de monsieur Renauld, descobrem que ele foi assassinado naquela noite, em um crime brutal: Renauld fora apunhalado pelas costas, estirado ao lado de uma cova no campo de golfe da propriedade. Quem teria motivos para assassinar monsieur Renauld? Por que Poirot tem a estranha sensação de que muitas coisas lhe são familiares neste caso? Monsieur Renauld tem ou não tem uma amante? As provas não se encaixam, os testemunhos são contraditórios e Poirot tem algo a mais com que se preocupar: a presença de Giraud, um famoso detetive francês da Sûreté de Paris, que também acompanha o caso e tem sérias divergências quanto aos métodos empregados por Poirot. Em um dos mais complicados casos que já investigou, Poirot irá usar toda sua argúcia e suas “células cinzentas” para descobrir quem assassinou monsieur Renauld e desvendar todas as complexas circunstâncias desta ardilosa trama na qual, além do assassino, o amor também se revela.


O Despertar é o primeiro livro da saga Xenogênese em que Octavia E. Butler narra a aventura de Lilith Iyapo que após um longo período em animação suspensa, consegue ficar mais tempo acordada em sua cela estranha. Aos poucos, ela é informada de sua situação e tem um primeiro contato em anos e anos com os falados alienígenas. Eles possuem peculiaridades que a mente de Lilith precisou de tempo para se acostumar e conseguir lidar com tanta informação.

Com o tempo, a humana precisa descobrir o que consegue com os bondosos alienígenas que tentam instruí-la sobre a própria situação, anatomia alienígena, como funciona a nave deles e, além disso, como sobreviver no momento em que ela e outros humanos voltarem para a Terra. Debates sobre o tratamento alienígena que tem boas intenções, mas que pode ser indigno e degradante de acordo com a perspectiva utilizada, faz com que a narrativa seja carregada em tensões e tensões.

O relacionamento de Lilith com outros humanos não é mais fácil. Ao despertar de maneira sistemática as pessoas com as quais ela quer ensinar o que aprendeu e contar com ajuda, a protagonista descobre que nem todos lidam com novas informações como ela espera ou experimentou. Os humanos já perderam antes e, agora, precisam lidar com um cativeiro totalmente diferente e buscar reconstrução. Entretanto, confiança é algo que não se desenvolve fácil…

A californiana Octavia Estelle Butler escreve com realismo, mesmo em uma história sobre fantasia e ficção científica. Toca em temas que não são tão desenvolvidos em grandes histórias do gênero, provando ser diferente não só no merchandising da editora, mas na prática. Dificil ver uma história em que alienígenas não queiram dominação territorial, porém sim, genética. Onde mais você veria uma relação sexual consensual entre uma humana e um alienígena? A Dama da Ficção Cientifica nos surpreende mais uma vez com este Despertar bem idealizado e escrito.

Caíque Apolináriohttp://bookstimebrasil.com.br
Escritor de três livros de ficção em conjunto com a Raquel Cortez Machado e host com a voz mais sedosa da podosfera. Viciado em café, multi tarefas e o suporte de toda a equipe.

Compartilhe

Posts Recentes

Cappuccino Cast #156 – Como será o mundo pós-coronavírus?

Cappuccino desta semana fala sobre como será o mundo pós-coronavírus! Falamos sobre economia, política, educação a distância, entretenimento e muito mais...

Por que começar a assistir Dark?

Mistério, suspense e viagem no tempo são alguns dos ingredientes presentes nessa série! Tendo lançado sua primeira temporada no ano de 2017, a série...

Elementar 110 – Músicas de Street Fighter

No Elementar dessa semana, Diego Ferreira e a Galera do Warpcast, JP Moraes, Mano Beto e Oda Lemos, montam um top 12 músicas de Street...

Na Gaveta 18 – Seleção Brasileira tem jeito?

Prepare o grito, a zuera e a corneta para o mais novo Na Gaveta! Debatemos as noticias relevantes da quinzena e vamos desvendar os...

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Recent comments

Mais postagens

Cappuccino Cast #156 – Como será o mundo pós-coronavírus?

Cappuccino desta semana fala sobre como será o mundo pós-coronavírus! Falamos sobre economia, política, educação a distância, entretenimento e muito mais...

Por que começar a assistir Dark?

Mistério, suspense e viagem no tempo são alguns dos ingredientes presentes nessa série! Tendo lançado sua primeira temporada no ano de 2017, a série...

24 Frames por Café #28 – Uma montanha não pode segurar dois tigres em Indústria Americana (2019)

No episódio deste mês, o 24 Frames por Café debate sobre Uma montanha não pode segurar dois tigres em Indústria Americana (2019). Isso e...

Elementar 110 – Músicas de Street Fighter

No Elementar dessa semana, Diego Ferreira e a Galera do Warpcast, JP Moraes, Mano Beto e Oda Lemos, montam um top 12 músicas de Street...

Na Gaveta 18 – Seleção Brasileira tem jeito?

Prepare o grito, a zuera e a corneta para o mais novo Na Gaveta! Debatemos as noticias relevantes da quinzena e vamos desvendar os...

Cappuccino Cast #155 – Passando o pano (Ai, ai…)

Cappuccino desta semana fala das situações e das pessoas que vivemos Passando o Pano! Falamos de manifestações, hackers, preconceitos, Cersei,...