Resenha de Triste Fim de Policarpo Quaresma, de Lima Barreto

-

Muitos livros nacionais, que apesar de clássicos, são maçantes. Eu sei e você sabe. Porém, outros nos fazem pensar: “Por que não tinha lido antes?”. E este livro, do negligenciado escritor: Lima Barreto, faz com que pensemos exatamente desta maneira.


Editora: Martin Claret Resenha de Triste Fim de Policarpo Quaresma, de Lima Barreto
Páginas: 224
Ano de publicação original: 1911

Sinopse:

Policarpo Quaresma ama o Brasil. Ama porque é a terra mais fértil do mundo, porque tem a fauna e a flora mais lindas e exuberantes, porque é a cultura mais rica, a melhor comida, em variedade e sabores, porque possui as mulheres mais belas e, segundo ele, até mesmo… os melhores governantes. Funcionário público, fluente em tupi, estudioso da cultura indígena e grande apreciador das modinhas de violão ― para ele, o único estilo de música verdadeiramente nacional ―, Policarpo, como Dom Quixote de La Mancha, enfrenta moinhos de vento para provar a todos o seu ponto de vista, bradar ao mundo o amor por sua musa, não a Srta. Dulcineia de Toboso, mas a mui amada pátria brasileira. Mas, afinal, que fim poderia ter a aventura de Policarpo? Repleto de personagens fortes e carismáticos, o romance de Lima Barreto é, ao mesmo tempo, um ensaio sobre o idealismo, uma crítica profunda, mas permeada de comicidade, da realidade brasileira do fim do século XIX e início do XX e um retrato das mudanças pelas quais o Brasil passava naquele momento, como o despertar do feminismo. Lindo, inteligente, comovente! Um clássico da literatura nacional.


Policarpo Quaresma, conhecido como Major, é um patriota incorrigível. Procurando saber mais sobre as raízes brasileiras, cânticos folclóricos e, inclusive, aprendendo a língua Tupi, o simpático e vigoroso burocrata é um apaixonado por nossa terra tupiniquim. Todavia, muitos de seus colegas não o são e, ardilosamente, brincam com os nobres sentimentos de Quaresma, declinando algumas de suas ideias.

O Major passa por maus bocados por ser tão patriótico. Seus amigos, em grande parte, negligenciam ajuda, e seus ideias verdes e amarelos são pisados diariamente. Sua inconformidade com a sonolência do potencial brasileiro de ser uma grande potência mundial adentra a mente e coração do leitor, nos fazendo questionar: Era assim em 1910 ou é assim aqui em 2020?

Em meio a isto tudo, diversos personagens são apresentados, ganhando cada um o seu espaço para brilhar na tela pintada por Lima Barreto, que traz esperança e otimismo, ao mesmo tempo, tragédia e melancolia, mostrando como o nosso Brasil… É brasileiro. Apresentando as falácias da alta elite do Rio de Janeiro, retratando a mentira dos relacionamentos conjugais das mulheres e o egoísmo dos homens.

Apesar do período romântico que foi escrito, suas personagens têm fraquezas e dificuldades, tornando-os relacionáveis. Lima Barreto faz com que nos identifiquemos com seus personagens. Geralmente, pessoas mais velhas e mais simples, dão uma sabedoria bem quista, contracenando com a impulsividade dos mais jovens e as baboseiras dos funcionários públicos.

Lima Barreto faz o papel de um excelente escritor de distopia. Porém, ele faz isso numa história que não é distópica. O que mostra a genialidade do carioca que pinta um Brasil sonolento, medíocre, cultural, corrupto, egoísta e desejoso por utopias.

Caíque Apolináriohttp://bookstimebrasil.com.br
Escritor de três livros de ficção em conjunto com a Raquel Cortez Machado e host com a voz mais sedosa da podosfera. Viciado em café, multi tarefas e o suporte de toda a equipe.

Compartilhe

Posts Recentes

Cappuccino Cast #161 – Reality’s Show: Entretenimento ou Experimento Social?

Cappuccino desta vez avalia os Reality's Show: são Entretenimento ou Experimentos Sociais? Gravamos ao vivo falando sobre os principais programas,...

Na Gaveta 21 – Bolão do Brasileiro, Champions e clássicos nos estaduais!

Prepare o grito, a zuera e a corneta para o mais novo Na Gaveta! Debatemos ao vivo na Twitch as noticias relevantes da quinzena e...

Resenha de A Conspiração da Aranha, de James Patterson

Nesta primeira aventura de Alex Cross escrita por James Patterson, temos o estabelecer do personagem junto de sua família e amigos. Além de um...

Resenha de Neuromancer de William Gibson

Um dos grandes e excelentes pilares da ficção científica ganha seu espaço aqui no Book's Time Brasil! Então chegue mais em artiste e tome...

Mais postagens

Cappuccino Cast #161 – Reality’s Show: Entretenimento ou Experimento Social?

Cappuccino desta vez avalia os Reality's Show: são Entretenimento ou Experimentos Sociais? Gravamos ao vivo falando sobre os principais programas,...

Na Gaveta 21 – Bolão do Brasileiro, Champions e clássicos nos estaduais!

Prepare o grito, a zuera e a corneta para o mais novo Na Gaveta! Debatemos ao vivo na Twitch as noticias relevantes da quinzena e...

24 Frames por Café #29 – As Cores em A Mão Que Balança o Berço

No episódio deste mês, o 24 Frames por Café debate sobre o uso das cores no filme A Mão Que Balança o Berço. Este...

Resenha de A Conspiração da Aranha, de James Patterson

Nesta primeira aventura de Alex Cross escrita por James Patterson, temos o estabelecer do personagem junto de sua família e amigos. Além de um...

Resenha de Neuromancer de William Gibson

Um dos grandes e excelentes pilares da ficção científica ganha seu espaço aqui no Book's Time Brasil! Então chegue mais em artiste e tome...

Elementar 115 – The Good Place (Parte 1 de 2)

No Elementar dessa semana, o Elementar se une com o Maratona de Sofá para fazer um crossover de duas partes sobre a série The Good Place! A...

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Recent comments