Resenha – Caraval – Stephanie Garber

 

Oi pessoas! Aqui é a Karol.

Provavelmente vocês me escutam no Cappuccino e quero dizer que, agora, vocês vão escutar minha voz enquanto leem. Sim, juro pra você que eu sou uma fada mágica e que estou fazendo com que você leia tudo isso imaginando minha voz na sua cabeça. Voilà! Está feito!

Maaaaaas, não é sobre isso que vim falar hoje, na verdade, vim contar minhas impressões sobre um livro e estrear com muita pompa minha área de resenhas. E, para esse mês eu escolhi meu queridinho da vez: Caraval da escritora Stephanie Garber.

Bem, antes de começar a te contar cada coisinha que eu gostei nesse livro vou deixar aqui a sinopse dele pra te dar mais vontade de adquirir:

‘’Scarlett nunca saiu da pequena ilha onde ela e sua irmã, Donatella, vivem com seu cruel e poderoso pai, o Governador Dragna. Desde criança, Scarlett sonha em conhecer o Mestre Lenda do Caraval, e por isso chegou a escrever cartas a ele, mas nunca obtivera resposta. Agora, já crescida e temerosa do pai, ela está de casamento marcado com um misterioso conde, e certamente não terá mais a chance de encontrar Lenda e sua trupe, mas isso não a impede de escrever uma carta de despedida a ele.

Dessa vez o convite para participar do Caraval finalmente chega à Scarlett. No entanto, aceitá-los está fora de cogitação, Scarlett não pretende desobedecer ao pai. Sendo assim, Donattela, com a ajuda de um misterioso marinheiro, sequestra e leva Scarlett para o espetáculo. Mas, assim que chegam, Donattela desaparece, e Scarlett precisa encontrá-la o mais rápido possível.

O Caraval é um jogo elaborado, que precisa de toda a astúcia dos participantes. Será que Scarlett saberá jogar? Ela tem apenas cinco dias para encontrar sua irmã e vencer esta jornada.’’

O livro começa com as cartas de Scarlett Dragna para o Mestre do Caraval. Já de início podemos perceber o quanto a aura mágica do evento envolve a garota e quão grande é o seu desejo de participar do jogo um dia. Nas cartas conseguimos pegar alguns ‘petiscos’ de uma tragédia num jogo passado e como Scarlett vai evoluindo conforme os anos se passam até chegar na informação que é o pontapé para o início da história: ela logo vai se casar com um Conde que ainda não conhece e por fim desiste de sonhar com o Caraval. Surpreendentemente esta é a carta que Lenda, o Mestre do Caraval, decide responder e convidá-la para comparecer ao jogo do ano que tem como prêmio um desejo a ser realizado.

A partir daí a trama se abre. O que eu mais gostei no livro é que a história é quase como uma teia de aranha. Parece que a autora tinha aquela parede de investigação com vários fatos ligados e fotos pregadas com aqueles fios vermelhos, sabe? É engraçado de se imaginar, eu sei.

Bem, Scarlett é a típica personagem principal que tem medo de tudo, é reclusa, recatada e tem muito medo de seu pai, o que me surpreendeu um pouco na trama. Não esperava que o pai dela fosse tão ruim como foi apresentado.

Sendo filha do magnata da Ilha Conquistada de Trisda, Scarlett deve acatar tudo em silêncio. Sua submissão me irritou um pouco no começo tanto que comecei a simpatizar um pouco mais com sua irmã mais nova, Donatella Dragna, e seu desejo incansável de fugir da prisão em que as duas vivem.

Scarlett e a irmã possuem um conflito inicial que mostra como a visão de liberdade das duas é diferente. De um lado temos Donatella que quer fugir com um marinheiro que acabou de conhecer e, de outro, temos Scarlett que tem a certeza de que seu casamento com o Conde desconhecido trará paz e proteção às duas. O embate é pesado logo de início e ali podemos perceber que Donatella está tramando alguma coisa. Principalmente após Scarlett mostrar a ela o convite que recebeu para o Caraval.

A jornada de aventura te arrebata de cara o que eu gostei muito, afinal tem tantos livros que demoram tanto para desenvolver a jornada até o clímax que me deixa entediada. Enfim, Scarlett é, basicamente, sequestrada pela irmã e acorda num barco com Julian, o marinheiro que Donatella queria fugir, bonitão, charmoso e misterioso – o famigerado cara que a gente já sabe que vai ter uma baita química com a personagem principal.

Para sua surpresa, Scarlett foi levada até o Caraval e sua luta interna começa, afinal, Donatella desaparece e o casamento de Scarlett acontecerá muito em breve.

A partir daí o jogo começa! Somos introduzidos no mundo mágico do Caraval e constantemente lembrados que é apenas um jogo e caso você se deixar levar demais as coisas poderão ficar ruins.

O que eu gostei mais na escrita da autora é como ela faz todo o jogo parecer bem real, você se deixa levar mesmo. Principalmente com toda a carga emotiva que envolve Scarlett, sua busca pela irmã e todos seus medos que devem ser enfrentados para que haja um final feliz.

Um dos pontos em que a história deixa a desejar, em minha opinião, é o fato do foco constante em Scarlett tanto que Julian não é muito aprofundado, nem mesmo Donatella e os outros participantes do Caraval. O que deveria ser um jogo com inúmeras pessoas, com milhares de histórias envolvidas se torna mais a viagem de Scarlett. Eu entendo a autora e o foco que ela quis dar a jornada de herói através da Dragna mais velha e principalmente porque é só o primeiro livro da trilogia então, há mais o que aprofundar nos próximos e mais personagens a serem vistos – eu espero! -.

No mais, Caraval foi emocionante pra mim, o romance entre Julian e Scarlett teve química pra mim e, gostei de como terminou. A autora, em todo momento, avisava que era apenas um jogo e que ninguém deveria se deixar levar, mas eu deixei e, juro pra vocês que se o livro tivesse acabado capítulos antes do final com um desfecho bem dramático e cheio dos plot-twist que Stephanie Garber fez questão de misturar tudo em seu caldeirão mágico da escrita, eu iria amar. Ficaria surpresa, mas gostaria porque admiro a coragem de autores que não terminam suas histórias com finais felizes.

Portanto, Caraval apesar de seus pontos negativos, me fez ter um bom momento com a leitura de novo, além de me fazer devorar as páginas e não querer largar a história até finalizá-la.

Você pode encontrar para adquirir na Amazon ou nas livrarias da sua cidade. A editora é a Novo Conceito que fez um trabalho incrível no design interior e principalmente na capa. Entre todos os livros que me interessaram na loja, Caraval me arrebatou pelo design lindo da capa e o mistério da sinopse.

Indico que você dê uma chance a história de Scarlett e Donatella Dragna e lembre-se: o Caraval é apenas um jogo, você não deve se deixar levar por ele!

Até a próxima resenha, pessoal.

Beijo grande!

(Pra saber mais sobre previsões de resenhas e o que estou lendo você pode me encontrar no Instagram <3)

karolineoliveira
Jovem com alma de criança. Cabeça nas estrelas, pés no chão e olhos no céu. Escritora nas horas vagas e sonhadora em tempo integral.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.