Resenha | ClíMax, de Chuck Palahniuk

Mais uma obra do autor de “Clube da Luta” que chega para chocar. Traz uma realidade onde uma empresa leva uma sociedade às ruínas dominando um mercado que é menosprezado ou é alvo de gozações: O mercado pornográfico.


Editora: LeYa ClíMax, de Chuck Palahniuk
Páginas: 224
Ano de publicação original: 2014

Sinopse:

Penny Harrigan é uma jovem recém-formada em Direito que trabalha no maior escritório de advocacia de Manhattan. Vinda do meio-oeste, ela mora em um apartamentinho no Queens com duas colegas e há tempos não tem nem sinal de vida amorosa. Por isso, imagine o choque que leva quando C. Linus Maxwell – ou “ClíMax”, o megabilionário famoso por casos com as mulheres mais lindas e cobiçadas do planeta – a convida para jantar? Pois ele não só a leva ao restaurante mais badalado de Nova York, como também a uma cobertura em Paris onde, caderneta à mão, começa a conduzi-la por dias e dias de ápices insonháveis de prazer orgásmico. Vai reclamar? Sim: Penny descobre que é a cobaia na etapa final de pesquisa e desenvolvimento da Beautiful You, uma linha de apetrechos sexuais que serão vendidos às mulheres do mundo todo numa cadeia multinacional de lojas. Milhões de mulheres fazem fila para abastecer-se do catálogo de aparelhinhos, tão potentes e eficazes que, por todo o globo, elas chegam em casa, trancam-se no quarto e não saem mais – a não ser quando precisam de pilhas. Alguém precisa deter o plano de Maxwell de dominar o mundo usando o prazer erótico. Mas como?


Em “Clímax”, Palahniuk nos traz a história de Penny Harrigan, uma jovem mulher que trabalha em grande escritório de advocacia. De repente, aparece em sua vida medíocre o enigmático e bilionário C. Linus Maxwell – ou “ClíMax”, que pode ter e já teve as mulheres mais cobiçadas do planeta. Sejam elas famosas – ou não. E ele escolhe como próxima parceira justo ela, Penny, que não sabe o que esperar de um ser tão misterioso. Tudo pronto para um romance erótico com diversos tons de alguma cor famosa por ai, mas não é o que ocorre.

O que temos neste livro é algo mais bizarro e impactante. Há o sexo marcante e supostamente espetacular, mas ele é feito com outros fins. O metódico C. Linus Maxwell simplesmente estuda todas as reações de Penny durante seus relacionamentos sexuais, perscrutando cada respiro, gemido, movimento ou, pensamento e sensação. Tudo para o desenvolvimento de algo macabro, um produto que irá dar prazer supremo, fazendo as mulheres de todo o planeta se renderem, ajoelharem-se, idolatrarem, tal apetrecho de satisfação sexual.

Esta descoberta tem implicações na saúde de cada mulher, nas interações entre os gêneros, a economia fica abalada e tudo vai ao caos com o consumismo sem freios dos produtos sexuais. Cabe a Penny, a única mulher do mundo que sabe da verdade, buscar acabar com este monopólio e mostrar um outro caminho para as mulheres. E lá tem que ir até às origens do tal bizarro e estranho estudo de ClíMax…

A temática ousada que Chuck Palahniuk traz é bem trabalhada na maior parte do livro, com sua escrita dinâmica e super-realista, as ações, diálogos e motivações são bem descritas e encaixadas. Entretanto, isto não se sustém até o final do livro, com uma queda brusca de qualidade em nome de situações e motivações bizarras.

O que por si só não seria problemático, desde que isso fosse o objetivo desde o começo, em satirizar o mercado e as pessoas. Só que o que é abordado em 60% do livro é uma crítica parecida com o que vemos em Clube da Luta, com reflexões acertadas sobre a sociedade, mercado, relacionamentos interpessoais e questionamentos sobre a própria sanidade.

Clímax é um livro que vale a leitura, pois te fará pensar sobre um aspecto da realidade pouco falado com seriedade e profundidade. Ou cai em um conservadorismo exagerado ou na libertinagem. Uma análise fria e construtiva nesta ficção é muito bem vinda, apesar de sua qualidade cair em sua conclusão sendo um final banhado em clichês e comodismos.


Foto -Chuck Palahniuk
Chuck Palahniuk

Chuck Palahniuk (nascido em Pasco, Washington a 21 de Fevereiro 1961) é um escritor residente em Portland, Oregon. O seu trabalho mais popular é Fight Club (Clube de Combate em Portugal e Clube da Luta no Brasil), que foi posteriormente adaptado para cinema.

Caíque Apolinário
Administrador, Podcaster, host e Resenhista. Jedi, membro honorário da Liga da Justiça, Vingador e um homem-livro. Escritor em conjunto com Raquel Cortez Machado do livro Nas Sombras da Mente.
Café com Leite

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.