E que alegria é ler o volume dois do Gibi Quântico, um projeto que já faz parte da vida deste simples site. E mais uma vez, vamos fazer aquele típico formato de analisar cada estória separadamente, de modo que será um review mais completo possível. Vamos à ele!

Sorte pra Quem?

Roteiro: Paulo Biagioni
Arte: Guabiras

Uma breve estória sobre a sorte e o azar, de modo bem divertido mas sem ter uma pitada de profundidade com um roteiro bem objetivo mas que apresenta tudo que tem que apresentar, e uma arte bem insana dando todos os toques que uma história divertida deve ter. Diálogos que se desenvolvem quase que como cantigas. Imaginei essa estória em um livro de português nas escolas.

A Resposta

Roteiro: Bruna Oliveira
Arte: Robert Yo

Nada como uma conversa bem descompromissada mas cheia de suposições com duas amigas para animar um pouco as coisas. Mostrando o quanto pessoas podem ser voláteis e ainda contando com uma arte bem resolvida e que lembra tradicionais mangás que estão fazendo sucesso desde os anos 90 no mercado brasileiro.

Sanatorium

Roteiro: Alessio Esteves
Arte: Doug Firmino

A cota de loucura vem com esta estória que conta com uma arte sinistra que transmite muito bem toda a complexidade e insanidade que é transmitida na estória. E esta é uma das melhores estórias do mix, que traz mais um final trágico que se tornou tradicional ter após o primeiro volume que trazia vários finais no mesmo estilo.

Timothy, o Gigante

Roteiro: Everton Andrade
Arte: Humberto Kehdy

Está ai uma fábula que também poderia estar em livros de português nas escolas. Ensina algumas coisas sobre a gula, porém com uma alegre redenção. É uma estória divertida, num tom infantil que não deixa de ter uma boa qualidade. Os traços mais simplistas podem incomodar alguns, mas não deixa de facilitar a mensagem da estória.

Gibi Quântico Volume 2, da Quanta Academia

Pérolas

Roteiro: Jun Sugiyama
Arte: Pri WI

Uma estória com poucos diálogos, mas com muita profundidade (literalmente também, heh) que explora todo um acontecimento em que se você não está ligado, acaba perdendo aspectos essenciais que fazem desta estória uma das melhores do Mix também. A arte traz belos momentos quando se foca nas expressões.

Traumas

Roteiro: Lucas Sousa
Arte: Eder dos Santos

Uma bela estória que é profunda como é padrão da maioria das estórias do Gibi Quântico, em que traz uma criança para uma situação trágica. A arte é uma das melhores da edição e traz uma experiência nova ao explorar o grande trauma da estória. O roteiro e a arte de mesma qualidade casaram de maneira única nesta estória.

Como Sobreviver com um Bumerangue no Outback

Roteiro: Fernando Barone
Arte: Rodrigo Martins dos Santos

Em mais uma estória divertida mas que traz certos significados que nos fazem pensar sobre a nossa vida atual, tem uma bela arte auxiliando para trazer uma boa estória. Apesar do formato ajudar o roteiro em contar esta pequena estória, a arte pareceu requerer mais páginas para ser melhor explorada. Prometendo ainda mais potencial em um formato que traga mais espaço.

Latrina

Roteiro: Tiago P. Zanetic
Arte: Dudu Torres

Uma estória que poderia ser um curta da Pixar, traz em tom bem divertido e com elementos de aventura vem com uma arte que condiz com a tonalidade um outro destaque do Mix. Trazendo um ar mais leve, traz uma certa diversidade que é bem-vinda. O carisma contido na estória pode fazer muitos leitores e leitoras se apaixonarem pelos personagens.

Brocker, o Anão Injustiçado

Roteiro: Airton Marinho
Arte: Fabrício Boher

E aqui está outra estória que merece continuação. Assim como no volume 01, aqui temos a introdução de mais um personagem badass que aqui na base da violência escapa de uma confusão daquelas. Uma espécie de Conan em menor escala (sacou o que fiz aqui?) vemos o começo de algo que pode virar um grande universo na idade média.

Conexão Urbana

Roteiro: Sabrina Paixão
Arte: Alexandre Arcangelo

Uma estória otimista, envolvente e romântica à sua maneira. Vemos talvez o começo de um caso de amor, de modo descontraído e bem pés no chão. A arte é realista e com finalizada de maneira simples porém muito bem feita. Dá vontade de vê-la em um tipo de narrativa diferente.

Caminhos do Paraíso

Roteiro: Lucas Benetti
Arte: Clayton Inloco

Mais uma estória profunda e de certa forma sinistra. E a arte condiz com tudo isso de forma excelente. Não há diálogos aqui e também nem precisa, quadro a quadro, ela se desenvolve de forma suave e sem qualquer pressa. Tudo bem desenvolvido com leveza e profundidade. Te fazendo pensar, daquela forma que só os quadrinhos podem proporcionar.

Fio de Vento

Roteiro: Jujú Araujo
Arte: Akemy Hayashi

Para encerrar este volume, temos uma estória mais otimista, mais descontraída. Apesar de tudo isso, ainda é cheia de significados. Com uma arte que explora bastante as sombras e assim, intensificando bastante as expressões temos uma estória que busca explanar um pouco mais a questão da paternidade. Uma excelente forma de encerrar o mix.

Este volume do Gibi Quântico tem tudo para vir forte na briga por mais um prêmio HQ Mix neste ano. O nível de qualidade, trazido no primeiro volume da publicação continua aqui. Não a eleva mas não a rebaixa. E isto é muito bom, pois cria em nós, leitores, uma vontade imensa de querer sempre ler um novo volume do Gibi Quântico.

cafe expresso nota

Gravamos um podcast sobre esta HQ com o roteirista Airton Marinho em nosso Expresso do Dia #012. Confira-o abaixo e se divirta!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.