Resenha de Triste Fim de Policarpo Quaresma, de Lima Barreto

Muitos livros nacionais, que apesar de clássicos, são maçantes. Eu sei e você sabe. Porém, outros nos fazem pensar: “Por que não tinha lido antes?”. E este livro, do negligenciado escritor Lima Barreto, faz com que pensemos exatamente desta maneira.


Editora: Martin Claret Triste Fim de Policarpo Quaresma, de Lima Barreto
Páginas: 224
Ano de publicação original: 1915

Sinopse:

Policarpo Quaresma ama o Brasil. Ama porque é a terra mais fértil do mundo, porque tem a fauna e a flora mais lindas e exuberantes, porque é a cultura mais rica, a melhor comida, em variedade e sabores, porque possui as mulheres mais belas e, segundo ele, até mesmo… os melhores governantes. Funcionário público, fluente em tupi, estudioso da cultura indígena e grande apreciador das modinhas de violão — para ele, o único estilo de música verdadeiramente nacional —, Policarpo, como Dom Quixote de La Mancha, enfrenta moinhos de vento para provar a todos o seu ponto de vista, bradar ao mundo o amor por sua musa, não a Srta. Dulcineia de Toboso, mas a mui amada pátria brasileira. Mas, afinal, que fim poderia ter a aventura de Policarpo? Repleto de personagens fortes e carismáticos, o romance de Lima Barreto é, ao mesmo tempo, um ensaio sobre o idealismo, uma crítica profunda, mas permeada de comicidade, da realidade brasileira do fim do século XIX e início do XX e um retrato das mudanças pelas quais o Brasil passava naquele momento, como o despertar do feminismo. Lindo, inteligente, comovente! Um clássico da literatura nacional.


Policarpo Quaresma, conhecido como Major, é um patriota incorrigível. Procurando saber mais sobre as raízes brasileiras, cânticos folclóricos e, inclusive, aprendendo a língua Tupi, o simpático e vigoroso burocrata é um apaixonado por nossa terra tupiniquim. Todavia, muitos de seus colegas não o são e, ardilosamente, brincam com os nobres sentimentos de Quaresma, declinando algumas de suas ideias.

O Major passa por maus bocados por ser tão patriótico. Seus amigos, em grande parte, negligenciam ajuda, e seus ideias verdes e amarelos são pisados diariamente. Sua inconformidade com a sonolência do potencial brasileiro de ser uma grande potência mundial adentra a mente e coração do leitor, nos fazendo questionar: Era assim em 1910 ou é assim aqui em 2018?

Em meio a isto tudo, diversos personagens são apresentados, ganhando cada um o seu espaço para brilhar na tela pintada por Lima Barreto, que traz esperança e otimismo, ao mesmo tempo, tragédia e melancolia, mostrando como o nosso Brasil… É brasileiro. Apresentando as falácias da alta elite do Rio de Janeiro, retratando a mentira dos relacionamentos conjugais das mulheres e o egoísmo dos homens.

Apesar do período romântico que foi escrito, suas personagens têm fraquezas e dificuldades, tornando-os relacionáveis. Lima Barreto faz com que nos identifiquemos com seus personagens. Geralmente, pessoas mais velhas e mais simples, dão uma sabedoria bem quista, contracenando com a impulsividade dos mais jovens e as baboseiras dos funcionários públicos.

Lima Barreto faz o papel de um excelente escritor de distopia. Porém, ele faz isso numa história que não é distópica. O que mostra a genialidade do carioca que pinta um Brasil sonolento, medíocre, cultural, corrupto, egoísta e desejoso por utopias.

Caíque Apolinário
Administrador, Podcaster, host e Resenhista. Jedi, membro honorário da Liga da Justiça, Vingador e um homem-livro. Escritor em conjunto com Raquel Cortez Machado do livro Nas Sombras da Mente.

Avaliação

Café Expresso
Café Expresso

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.